APP HACKER TECNOLOGIA

Estudante universitário tentou invadir os impostos de Trump criando um aplicativo falso da FAFSA

Dois estudantes universitários estão enfrentando pena de prisão federal por tentar invadir as declarações fiscais do presidente Trump, conforme relatado pela CyberScoop. Andrew Harris, 24 anos, e Justin Hiemstra, 22, tentaram importar os registros financeiros do presidente por meio de um aplicativo gratuito para auxílio estudantil federal (FAFSA). Ambos os homens se declararam culpados de duas acusações de contravenção por violarem a Lei de Fraude e Abuso de Computadores e enfrentam até dois anos atrás das grades.

Em 2016, quando Trump estava concorrendo, ele se recusou a liberar suas declarações fiscais, como fazem a maioria dos candidatos à presidência. A declaração de impostos tornou-se um item muito procurado por ativistas liberais nos anos subseqüentes e objeto de intensa reportagem do The New York Times e de outras publicações.

Na mesma época, Harris, então estudante do Haverford College, na Pensilvânia, percebeu que poderia acessar os retornos preenchendo um pedido falso da FAFSA para o candidato. O aplicativo FAFSA usa informações fiscais para calcular empréstimos estudantis – também permite que as pessoas importem registros diretamente do IRS desde que tenham um número de previdência social e outras informações de identificação pessoal. Harris sabia o número de previdência social de Trump, como ele já havia vazado.

Harris então foi para Hiemstra e juntos criaram um plano para obter as declarações fiscais de Trump e divulgá-las à mídia. Em 2 de novembro de 2016, eles foram ao laboratório de informática do campus e tentaram criar uma conta FAFSA para um membro da família Trump. Quando perceberam que uma conta já existia, redefiniram a senha respondendo a perguntas de segurança (leitor, pesquisaram no Google). Depois, eles tentaram usar o número de segurança social de Trump para importar seus impostos federais. Eles não tiveram sucesso.

“Não se tratava de hackers russos, eram dois problemas na faculdade”, disse o advogado de Harris William J. Brennan ao The Verge. “[Harris] não deseja má vontade para com o presidente e sua família e lamenta qualquer inconveniente que tenha causado à família Trump”. Quando perguntado se ele concorda com a classificação de que Harris era o “mentor” por trás dessa operação, Brennan riu. “É como ser o anão mais alto do circo.”

A data da sentença de Harris está marcada para 16 de dezembro. Seus advogados planejam pedir uma sentença mais branda, pois esta é sua primeira ofensa.