Os usuários precisam consentir com os cookies de rastreamento on-line: tribunal da UE

As empresas on-line da UE não podem mais apresentar aos usuários da Internet uma caixa pré-marcada informando que os cookies serão plantados em seus smartphones ou computadores se eles não desmarcarem a opção, de acordo com uma decisão emitida na terça-feira.

A decisão do Tribunal de Justiça Europeu significa que os usuários precisam dar “consentimento ativo” – em vez de optar por não usar um padrão automático que, de outra forma, plantaria cookies no sistema de seus dispositivos.

O tribunal da UE estava respondendo ao pedido de um tribunal alemão de interpretação de uma lei da UE que protegesse a privacidade por meio de comunicações eletrônicas .

Surgiu de um desafio apresentado por uma federação alemã de consumidores contra uma empresa alemã, a Planet49, que apresentou aos usuários que queriam jogar sua loteria promocional com uma caixa de biscoitos pré-marcada.

Os cookies de rastreamento deveriam coletar informações sobre os usuários para produtos de publicidade dos parceiros comerciais da Planet49 – um método comum das empresas on-line.

Mas o tribunal determinou que “o consentimento deve ser específico” e pressionar o botão de um site para participar de uma loteria “não é suficiente para concluir que o usuário validamente deu seu consentimento ao armazenamento de cookies”.

A decisão vem com autoridades na Europa e, cada vez mais, nos Estados Unidos e em outros lugares, discutindo como proteger a privacidade dos cidadãos on-line, à medida que as empresas de internet coletam e fazem referência cruzada de informações obtidas com o uso da web.

Cookies são pequenos pedaços de código de computador que são baixados no dispositivo do usuário para rastrear quais sites eles visitam, como eles interagem com eles e, potencialmente, outras informações.

Na decisão de terça-feira, o tribunal da UE também decidiu que os usuários que aceitam cookies devem ser notificados por quanto tempo esses cookies os rastrearão e se terceiros têm ou não acesso às informações que coletam.



PROPAGANDA
PROPAGANDA
PROPAGANDA